Notícia

Pesquisadores mostram como a disposição de pacientes em hospitais pode retardar a disseminação do novo coronavírus

Equipe de pesquisadores da Universidade de Dundee, no Reino Unido, identificou a disposição mais apropriada de pacientes em hospitais para reduzir o risco de disseminação da COVID-19

Getty Images

Fonte

Universidade de Dundee

Data

terça-feira, 17 novembro 2020 11:05

Áreas

Gestão Hospitalar. Medicina. Saúde Pública.

Uma equipe da Universidade de Dundee, no Reino Unido, identificou a disposição mais apropriada de pacientes em hospitais para reduzir o risco de disseminação das infecções por COVID-19.

A transmissão de infecções virais associada à assistência médica é um grande problema que tem custos econômicos significativos e pode levar à perda de vidas. Foi demonstrado que as infecções por COVID-19 têm uma alta prevalência em hospitais de todo o mundo, e a disseminação do vírus pode ser afetada pela densidade de pacientes nos hospitais.

Embora muitos estudos mostrem que as doenças infecciosas associadas à saúde parecem se espalhar mais lentamente em quartos individuais (com uma cama) do que em áreas compartilhadas, alguns estudos não mostram evidências claras de uma redução nas infecções em quartos individuais.

Para investigar esse cenário, uma equipe da Escola de Medicina e da Escola de Ciências e Engenharia da Universidade de Dundee usou modelagem matemática e abordagens computacionais para identificar a localização mais adequada dos pacientes e o papel dos testes periódicos para reduzir o risco de disseminação da COVID-19.

No estudo, os pesquisadores se concentraram na transmissão da COVID-19 em pacientes internados em hospitais que não tinham COVID-19 e, portanto, não atendiam aos critérios para teste. Foi analisada a probabilidade de uma doença infecciosa se espalhar entre pacientes em quartos individuais e em áreas hospitalares compartilhadas com quatro ou seis leitos, comumente usadas ​​para acomodar vários pacientes não COVID-19 em muitos hospitais.

“Em nosso estudo teórico mostramos que, do ponto de vista epidemiológico, existem diferenças na transmissão da doença quando há um único paciente por quarto, ou múltiplos pacientes por quarto. Esse é um aspecto importante a ser abordado, pois esse vírus é altamente transmissível. Pode resultar em infecção grave em alguns pacientes e os pacientes nem sempre apresentam sintomas, há altos custos hospitalares associados e um grande número de pacientes precisa ser hospitalizado (com ou sem a doença) no contexto de uma pandemia”, explicou o Dr. Benjamin Parcell, da Escola de Medicina da Universidade de Dundee.

“Observamos que as infecções por SARS-CoV-2 se espalham mais lentamente em quartos individuais (com uma cama) do que em áreas compartilhadas em enfermarias não COVID-19, e que a infecção se espalha mais lentamente em áreas de quatro leitos em comparação com áreas de seis leitos (baias). Quando há várias ocupações de leitos em baias, é importante manter o número de pacientes o mais baixo possível. Esses resultados podem melhorar a orientação sobre a colocação adequada de pacientes para retardar a disseminação da COVID-19 ”, explicou o especialista.

Para explorar a probabilidade de uma doença infecciosa se espalhar entre os pacientes hospitalizados em quartos individuais e em áreas compartilhadas de hospitais com quatro ou seis leitos, a equipe usou um modelo de rede simples que considerou a probabilidade de que cada leito tivesse um paciente suscetível, exposto, infectado ou indivíduo recuperado.

Com a ajuda desse modelo, os especialistas olharam para a propagação da infecção no contexto de vários cenários: mudanças no número de contatos com pacientes e funcionários infectados, tendo pacientes sintomáticos ou assintomáticos, retirando os indivíduos infectados dessas baias hospitalares assim que for detectada a infecção, e também o papel dos testes periódicos de pacientes hospitalizados.

Os resultados também apoiam as orientações atuais sobre testes de rotina para vários funcionários e grupos de pacientes, mostrando que os testes periódicos combinados com o isolamento de indivíduos nas baias reduzem a probabilidade de exposição e infecção.

O estudo foi publicado na revista científica Mathematical Biosciences and Engineering.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Dundee (em inglês).

Fonte: Jessica Rorke, Universidade de Dundee. Imagem: Getty Images.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2020 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account