Notícia

Novo dispositivo pode detectar lesão cerebral traumática no local do atendimento

Cientistas da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, desenvolveram solução simples, rápida e de baixo custo para detectar lesão cerebral traumática no local de atendimento do paciente

Pixabay

Fonte

Universidade de Birmingham

Data

quarta-feira, 14 outubro 2020 15:40

Áreas

Bioquímica. Engenharia Biomédica. Nanotecnologia. Neurociências,

Usando biomarcadores químicos liberados pelo cérebro imediatamente após a ocorrência de um ferimento na cabeça, pesquisadores foram capazes de identificar quando os pacientes precisam de atenção médica urgente. Isso economiza tempo no fornecimento de tratamento vital e evita que os pacientes sejam submetidos a testes desnecessários onde não ocorreu nenhum ferimento.

A técnica foi desenvolvida por uma equipe multidisciplinar de pesquisadores do Grupo de Nanomateriais Avançados, Estruturas e Aplicações (ANMSA) da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, liderados pela Dra. Pola Goldberg Oppenheimer.

Após um estudo de prova de conceito, o grupo concluiu agora o programa de comercialização de inovações da Innovate UK (iCURE), para identificar rotas de comercialização para a técnica, identificando potenciais parceiros em oito países.

O método funciona usando uma técnica espectroscópica chamada espalhamento Raman intensificado por superfície, em que um feixe de luz é “disparado” no biomarcador. O biomarcador, retirado de uma amostra de sangue, é preparado ao ser inserido em um chip optofluídico especial, onde o plasma sanguíneo é separado e flui sobre uma superfície altamente especializada. A luz faz com que o biomarcador vibre ou gire e esse movimento pode ser medido, dando uma indicação precisa do nível de lesão que ocorreu.

Para produzir o nível de precisão exigido, o teste precisa ser extremamente sensível, rápido e específico e é aqui que a experiência em Engenharia Biomédica do grupo ANMSA da Universidade de Birmingham se destaca. A chave para a sensibilidade está na maneira como os biomarcadores interagem com a superfície. A equipe desenvolveu uma plataforma de baixo custo, feita de polímero e coberta com uma fina película de ouro. Essa estrutura é então submetida a um forte campo elétrico, que redistribui o filme em um padrão distinto, otimizado para entrar em ressonância com o feixe de luz.

“Esta é uma técnica relativamente simples e rápida que oferece um baixo custo, mas uma maneira altamente precisa de avaliar lesão cerebral traumática, que até agora não tinha sido possível”, destacou a Dra. Pola Oppenheimer.

Os resultados do estudo foram publicados na revista científica Nature Biomedical Engineering.

Acesse o resumo do artigo científico (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Birmingham (em inglês).

Fonte: Universidade de Birmingham. Imagem: Pixabay.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2020 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account