Notícia

Laboratório de Biotecnologia da UFAM aposta em pesquisas com testes genéticos

Uma das linhas de pesquisa é sobre a resistência à insulina em humanos

 

Divulgação

Fonte

UFAM | Universidade Federal do Amazonas

Data

quinta-feira, 1 novembro 2018 11:45

Áreas

Biotecnologia. Diagnóstico. Inovação.

Coordenado pelo professor Dr. Adolfo Mota, pesquisador reconhecido nacionalmente pelos trabalhos que realiza na área de Genética Humana, o Laboratório de Biotecnologia da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) está localizado no Bloco M do Setor Sul do Campus Universitário Arthur Virgílio Filho e conta com financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep).

Investigações genéticas

Uma das atividades do Laboratório está alinhada a pesquisas que utilizam testes genéticos, uma das áreas mais caras da Biotecnologia. Segundo o coordenador do Laboratório, os voluntários participantes das pesquisas recebem uma detalhada análise genética pessoal.  “Os voluntários são vinculados a nossos projetos de mestrado e doutorado e o diagnóstico é a contrapartida que podemos oferecer a eles. Aqui acompanhamos mutações genéticas, propensões a doenças que podem ajudar a confirmar um diagnóstico clínico e orientar uma tomada de decisão do médico para tentar evitar ou retardar o desenvolvimento da doença em pacientes que possuem a predisposição genética, mas ainda não apresentam os sintomas, favorecendo assim um diagnóstico precoce que em muitos casos pode melhorar o prognóstico dos pacientes”, afirmou.

Parceria científica

Os voluntários que participam das pesquisas envolvendo investigações genéticas são encaminhados pela professora da Faculdade de Medicina (FM/UFAM) Dra. Deborah Laredo Jezini, docente da disciplina de Endocrinologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina e preceptora em Endocrinologia nas Residências Médicas do Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV/UFAM). “A princípio, convidamos a Dra. Deborah Laredo Jezini, que é docente na disciplina de Endocrinologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFAM, e preceptora em Endocrinologia de Residência Médica, para fazer parte do projeto sobre MODY, um tipo específico de Diabetes de causa genética. A experiência clínica da doutora Deborah contribuiu na seleção dos casos suspeitos, ou seja, daqueles pacientes diabéticos que apresentavam indicação para investigação molecular a nível de DNA, e definiu o tipo de alteração genética que a equipe do laboratório deveria investigar. A partir daí, os pacientes selecionados clinicamente eram convidados a participar do projeto, e recebiam as orientações sobre todas as etapas, que incluía a coleta da amostra de sangue e o acesso ao resultado. E somente participavam os que concordavam com a pesquisa e assinavam o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE)”, destaca o professor Adolfo Mota.

Pesquisas

Uma das pesquisas que é resultado dessa parceria científica é realizada pela doutoranda da área de Biotecnologia da Rede BIONORTE Lucivana Prata de Souza Mourão. Orientada pelos professores Dr. Adolfo Mota eSpartaco Astolfi-Filho, Lucivana pesquisa genes envolvidos com a resistência à insulina em humanos. “Sabemos que uma das causas do diabetes está relacionada a problemas na ação da insulina. Então, desejamos saber se alterações em genes relacionados a essa ação da insulina poderiam resultar em algum problema que desencadeasse a diabetes tipo 2. Até o momento, nós achamos em nossas amostras uma mutação muito importante  associada ao diabetes”, relata a doutoranda.

Ela ressalta ainda que resolveu estender a análise genética à família de um indivíduo da amostra em estudo. “Informamos a uma família que tínhamos achado algo interessante e que desejávamos saber se eles tinham interesse de que procurássemos essa mutação em outros membros da família. A análise do DNA revelou a mutação em outros membros dessa família, inclusive em alguns deles sem a manifestação clínica da diabetes tipo 2. Esses resultados preliminares sugerem a importância de testes genéticos para intervenção de ações de prevenção para a diabetes tipo 2”, ressalta a pesquisadora.

Fonte: Márcia Grana, ASCOM/Ufam. Imagem: Divulgação.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

Entre em Contato

Enviando

2018 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account