Destaque

Tratamento com laser ajuda a prevenir perda de paladar durante quimioterapia

Fonte

Agência UFC

Data

quinta-feira. 30 junho 2022 20:00

No tratamento contra o câncer, a quimioterapia traz uma série de efeitos colaterais que, por muitas vezes, debilitam o paciente. Entre os mais comuns, estão por exemplo a queda de cabelo, náuseas e até o surgimento de feridas. Um deles pode ser especialmente prejudicial, forçando inclusive a interrupção do tratamento: a perda do paladar.

Esse efeito colateral específico, também chamado de disgeusia, é foco de uma pesquisa que vem sendo desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Odontologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). A partir de terapia com uso de laser, a equipe de pesquisadores promove a proteção das papilas gustativas, normalmente atingidas pela quimioterapia, o que gera a perda de apetite.

“O paciente que está em quimioterapia perde o paladar porque o quimioterápico não afeta apenas o tumor, mas afeta qualquer tecido do corpo que tenha uma alta capacidade de reprodução. A pele fica seca, o cabelo cai e o paladar é perdido por conta dos botões gustativos”, explicou o professor Dr. Paulo Goberlânio Silva, um dos orientadores do estudo.

Evitar a disgeusia é importante para garantir que o paciente consiga manter uma boa alimentação durante todo o tratamento: se a alimentação estiver  prejudicada, haverá maior susceptibilidade aos efeitos negativos da quimioterapia, aumentando as chances de sua interrupção.

Foi pensando nisso, e também considerando que não há medicamentos totalmente eficazes para combater a disgeusia, que os pesquisadores decidiram testar o uso do laser, aplicando-o diretamente sobre as papilas gustativas, como forma de reconstruí-las. São elas as responsáveis por fazer o paladar funcionar corretamente, dando  informações sobre as condições e o sabor do alimento, por exemplo.

A lógica por trás do procedimento está baseada na capacidade que o laser tem de reverter danos aos tecidos do organismo humano por meio de fótons de luz, que são absorvidos e estimulam a reprodução e cicatrização celular. Isso já é feito para tratar ferimentos na pele, por exemplo. A ideia, portanto, era que os botões gustativos pudessem também ser beneficiados com esse estímulo.

A prática tem se mostrado tão promissora quanto a teoria até aqui. A equipe acompanhou, durante seis meses, 135 pacientes com câncer de mama em tratamento com quimioterapia, divididos em dois grupos, com apenas um deles recebendo a terapia com laser nas papilas gustativas.

Os resultados foram claros: enquanto aqueles que não receberam a laserterapia tiveram perda de paladar e de peso em até 20%,e  os que foram tratados com o laser não apenas conseguiram se manter durante toda a quimioterapia sem perda de peso como, em alguns casos, até tiveram aumento de massa.

Com isso, a eficácia da quimioterapia acaba por ser melhor garantida, já que os medicamentos podem continuar a ser aplicados sem permitir brechas para o desenvolvimento de resistência tumoral.

“Quando o paciente perde muito peso, o oncologista tem de diminuir a dose do quimioterápico ou até suspender o tratamento. Toda vez que você para de administrar a droga, o tumor tende a desenvolver resistência. Se o oncologista consegue sustentar aquela dose durante todo o tratamento, a possibilidade de cura aumenta significativamente”, explicou o professor Paulo Goberlânio.

Metodologia recente

A UFC conta, desde maio de 2022, com um Centro de Laserterapia em Odontologia (CELO), vinculado à Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, que já vem aplicando a tecnologia como recurso terapêutico para diferentes problemas bucais, de feridas à recuperação de pós-operatórios.

Além de eficaz, o tratamento conta com uma boa dose de praticidade. “O laser é um aparelho portátil, então a gente consegue levar [para qualquer lugar]. É um aparelho só, que tem uma potência fixa de 100 miliwatts, e tem comprimentos de ondas diferentes”, explicou a pesquisadora Cássia Nóbrega, cuja dissertação de mestrado considerou a laserterapia nos pacientes de câncer.

O uso do laser para restauração e cicatrização celular já é abrangente, mas algo relativamente novo, sobretudo no campo da odontologia. “Se formos buscar na literatura, há uma grande gama de protocolos diferentes, porque a gente não sabe ainda qual o melhor para o tratamento dessa condição”, disse a professora Dra. Ana Paula Alves, que também orienta o estudo.

Por isso, a pesquisa não deve parar aí, já que agora a ideia é justamente estudar os possíveis protocolos de aplicação do laser para melhorar a eficiência no tratamento, inclusive reduzindo o tempo necessário para a terapia.

Acesse a notícia completa na página da Agência UFC.

Fonte: Kevin Alencar, Agência UFC.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2022 tech4health t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account