Notícia

Novo potencial tratamento para a pré-eclâmpsia

Equipe de pesquisadores suecos trabalhou por mais de 20 anos no desenvolvimento de um medicamento contra a pré-eclâmpsia

Freepik

Fonte

Universidade Lund

Data

segunda-feira, 30 setembro 2019 17:20

Áreas

Medicina. Obstetrícia. Saúde da Mulher.

Pesquisadores da Universidade Lund, na Suécia, publicaram um estudo na revista Scientific Reports, que abre oportunidades para novas pesquisas em relação a um medicamento que pode salvar a vida de muitas mulheres grávidas no futuro. O estudo foi realizado em um modelo de pré-eclâmpsia de camundongo transgênico; os resultados são importantes, pois confirmam estudos anteriores da equipe de pesquisa que mostram que a alfa-1-microglobulina tem potenciais efeitos terapêuticos na pré-eclâmpsia. Estudos em pacientes foram iniciados recentemente.

“O tratamento, baseado na proteína do corpo humano A1M (alfa-1-microglobulina), presente em todos os vertebrados, tem um bom efeito nos sintomas da doença, como pressão alta e vazamento de proteínas dos rins para a urina. Também observamos uma melhora na função de órgãos nos rins e na placenta. Não observamos nenhuma indicação de efeitos colaterais. No estudo publicado usando o modelo de camundongo pré-eclâmpsia, que reflete melhor os vários estágios da doença durante a gravidez, os camundongos desenvolvem pré-eclâmpsia grave no início da gravidez”, explica o Dr. Stefan Hansson, professor de obstetrícia e ginecologia da Universidade Lund e médico consultor sênior do Hospital Universitário Skåne. O Dr. Hansson é o pesquisador principal do estudo, juntamente com colegas, incluindo a pesquisadora sênior Dra. Lena Erlandsson.

“Isso parece um marco em nossa pesquisa, pois os ensaios clínicos de Fase 1 começaram na primavera para estabelecer as propriedades do A1M para desenvolver um [novo] medicamento”.

Juntamente com seu colega, Dr. Bo Åkerström, professor de medicina da Universidade Lund, o Dr. Stefan Hansson iniciou os estudos sobre a A1M há vários anos e observou que a A1M interrompeu o vazamento de proteína nos rins. Os especialistas também viram que a placenta foi reparada e que as estruturas destruídas nos menores componentes das células foram restauradas.

Apesar do sucesso na pesquisa, a data para a disponibilização de um novo medicamento ainda é incerta. “A pesquisa leva tempo e requer muito investimento. O Dr. Bo Åkerström passou toda a sua vida profissional na compreensão e descrição das propriedades da proteína A1M e, nos últimos dez anos, a estudamos em laboratório como candidata a medicamentos. Os resultados dos ensaios clínicos serão cruciais ”, conclui o Dr. Stefan Hansson.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade Lund (em inglês).

Fonte: Universidade Lund. Imagem: Freepik.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

Entre em Contato

Enviando

2019 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account