Notícia

Transplante de medula óssea na idade pediátrica: microbiota influencia aparecimento de complicações

Microbiota intestinal de crianças submetidas à cirurgia tem características relacionadas ao resultado da terapia

Divulgação

Fonte

Universidade de Bolonha

Data

terça-feira, 19 março 2019 15:45

Áreas

Medicina. Biologia. Genômica.

A microbiota intestinal – o conjunto de microrganismos simbióticos que habitam o intestino humano – desempenha um papel decisivo na decisão do pós-transplante de medula óssea em pacientes pediátricos. Isto é sugerido por dois estudos coordenados por pesquisadores da Policlínica de Sant’Orsola e da Universidade de Bolonha, na Itália.

Os pesquisadores observaram que crianças que desenvolvem complicações pós-transplante têm uma microbiota mais rica em bactérias resistentes a antibióticos. A descoberta abre caminho para o uso futuro da microbiota como uma ferramenta para reconhecer antecipadamente os pacientes com maior risco de desenvolver complicações e, portanto, para estudar terapias personalizadas e profilaxia.

Perigo de rejeição

O transplante de medula óssea permite a transfusão de células-tronco hematopoiéticas, ou células-tronco que dão origem a todos os diferentes tipos de células presentes no sangue. É um procedimento usado para tratar muitas doenças do sistema imunológico e do sangue, como a leucemia.

Como com todos os transplantes, no entanto, o risco de desenvolver complicações não está ausente. Em particular, o transplante de medula óssea pode desencadear a Doença do Enxerto Contra Hospedeiro (GVHD): uma reação com uma taxa de mortalidade significativa, que pode ser particularmente perigosa para pacientes pediátricos.

Aumento de resistência

Para analisar a relação entre microbiota e resistência a antibióticos, os pesquisadores realizaram uma análise em pacientes pediátricos com foco no conjunto de todos os genes envolvidos no desenvolvimento da resistência a antibióticos presentes no genoma das bactérias que ficam instaladas no intestino.

O estudo – publicado na revista Scientific Reports – envolveu oito crianças internadas no Centro de Oncologia e Hematologia Pediátrica da Policlínica de Sant’Orsola, metade das quais desenvolveu GVHD após o transplante de medula óssea. Usando técnicas massivas de sequenciamento de DNA, os pesquisadores apontaram que, imediatamente após o transplante, tanto a resistência aos antibióticos já ativos quanto a aquisição de novas resistências estavam ocorrendo na microbiota intestinal dos pacientes.

Terapia personalizada

Um segundo estudo também foi realizado para confirmar a conexão entre a microbiota intestinal e a probabilidade de desenvolver GVHD após o transplante de medula óssea, envolvendo vários centros de transplantes italianos:o  Hospital Bambino Gesù em Roma, o Hospital de Verona, o Policlinico San Matteo de Pavia e o Policlinico di Sant’Orsola, em Bolonha.

Os resultados – publicados na revista científica BMC Medical Genomics – mostraram as variações na composição da microbiota de 36 crianças antes e depois do transplante. E mesmo nesse caso, o papel da população bacteriana intestinal emerge claramente: os pacientes que acabam desenvolvendo GVHD já apresentavam uma microbiota alterada, com biodiversidade reduzida e uma abundância maior de bactérias específicas ligadas ao desenvolvimento de inflamação, antes mesmo do transplante.

Acesse a notícia completa na página da Revista UniBo, da Universidade de Bolonha (em italiano).

Fonte: Revista UniBo, Universidade de Bolonha. Imagem: Divulgação.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2020 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account