Notícia

Tecnologia de nanopartículas pode ser novo tratamento não invasivo para endometriose

Atualmente, a condição é tratada por meio de cirurgias invasivas para remoção de lesões teciduais

Shutterstock

Fonte

OHSU | Universidade de Saúde e Ciência de Oregon

Data

sexta-feira, 13 maio 2022 15:15

Áreas

Física Médica. Imagens e Diagnóstico. Ginecologia. Medicina. Nanotecnologia. Radiologia. Saúde da Mulher.

A nanotecnologia pode ajudar a tratar a endometriose, localizando e removendo lesões dolorosas e perigosas nos ovários, trompas de Falópio e pelve sem cirurgia invasiva, descobriram pesquisadores da Universidade de Saúde e Ciência de Oregon (OHSU) e da Universidade do Estado de Oregon, nos Estados Unidos.

A endometriose é uma condição ginecológica na qual o tecido do endométrio que normalmente reveste o útero forma lesões fora do útero. Isso pode causar infertilidade e dor pélvica severa em cerca de 190 milhões de mulheres em todo o mundo – cerca de 10% das mulheres em idade fértil. Atualmente não há cura.

O Dr. Ov Slayden, professor da OHSU Oregon National Primate Research Center, desenvolveu o modelo animal para testar as nanopartículas de óxido de ferro desenvolvidas pelo Dr. Oleh Taratula, professor da Escola de Farmácia da Universidade do Estado de Oregon.

As nanopartículas de óxido de ferro foram injetadas intravenosamente em camundongos para localizar lesões e, então, ficaram acumuladas nas lesões teciduais, permitindo sua identificação por imagem.

Uma vez que as nanopartículas estavam nas lesões, elas foram expostas a um campo magnético alternado, fazendo com que a temperatura das nanopartículas chegasse a cerca de 49oC, quente o suficiente para remover as lesões com calor em vez de cirurgia.

“Normalmente, o tratamento da endometriose requer ablação cirúrgica invasiva das lesões. As lesões podem retornar várias vezes, o que pode significar várias cirurgias ”, disse o Dr. Ov Slayden, professor da Escola de Medicina da OHSU. “Este tratamento poderia fornecer uma opção não cirúrgica para tratar a doença, o que seria uma melhoria dramática na qualidade de vida de muitos milhões de pessoas que sofrem de endometriose”.

Para testar as nanopartículas, os pesquisadores transplantaram tecido endometriótico de primatas em camundongos, para simular lesões de endometriose.

Os camundongos foram injetados com uma dose baixa de nanopartículas, que foram modificadas com um peptídeo especialmente projetado para atingir um receptor que é abundante nas células da endometriose. Ao direcionar esse receptor, as nanopartículas foram capazes de localizar e se acumular nas lesões.

Com as nanopartículas atuando como um agente de contraste destacando as lesões, o Dr. Khashayar Farsad e o Dr. Cory Wyatt, professores de Radiologia na Escola de Medicina da OHSU, foram capazes de visualizar efetivamente as lesões.

“A tecnologia de nanopartículas é promissora como uma futura ferramenta de imagem molecular no diagnóstico de muitas condições, incluindo a endometriose. Atualmente, pequenas lesões são identificadas pela visualização direta durante a cirurgia. Embora muito preliminar, este estudo de prova de conceito mostra como a nanotecnologia pode fornecer um novo método não invasivo para identificar e potencialmente tratar essas lesões”, disse o professor Khashayar Farsad.

Para atingir uma temperatura elevada o suficiente para remover as lesões, os pesquisadores da Universidade do Estado de Oregon desenvolveram nanopartículas de formato hexagonal em vez de esféricas; a forma hexagonal tem mais de seis vezes a eficiência de aquecimento quando exposta a um campo magnético alternado.

Os resultados até aqui foram publicados na revista científica Small.

O próximo passo da equipe de pesquisa é aplicar a nova abordagem a um modelo de primata não humano.

Acesse o resumo do artigo científico (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Saúde e Ciência de Oregon (em inglês).

Fonte: Sara Hottman, Universidade de Saúde e Ciência de Oregon. Imagem: Shutterstock.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2022 tech4health t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account