Notícia

Simulação ajuda a refinar diretrizes de cuidados pediátricos para a COVID-19

A ressuscitação cardiopulmonar e a intubação estão entre os procedimentos com maior risco de transmitir o vírus da COVID-19 a profissionais de saúde

Divulgação, Centro Médico do Sudoeste da Universidade do Texas

Fonte

Centro Médico do Sudoeste da Universidade do Texas

Data

sábado, 30 janeiro 2021 17:05

Áreas

Medicina. Pediatria.

A simulação pode ser uma maneira viável de avaliar e refinar rapidamente novas diretrizes médicas e educar equipes do hospitais em novos procedimentos, mostrou um estudo recente do Departamento de Pediatria do Centro Médico do Sudoeste da Universidade do Texas (UTSW), nos Estados Unidos. As descobertas, publicadas na revista científica Pediatric Quality and Safety e originalmente moldadas em torno dos novos procedimentos de ressuscitação cardiopulmonar pediátrica (RCP) relacionados à COVID-19 na UTSW e na Children’s Health, podem eventualmente ser usadas para ajudar a implementar outros tipos de diretrizes em outros centros médicos.

Por décadas, os hospitais dos EUA têm usado os mesmos procedimentos padrão para RCP e intubação. Mas quando a pandemia de COVID-19 começou no início do ano passado, alguns detalhes desses procedimentos precisaram mudar, explicou o Dr. Blake E. Nichols, professor de pediatria na UTSW e médico intensivista da Children’s Health.

A RCP e a intubação estão entre os procedimentos com maior risco de transmitir o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19, a profissionais de saúde. Para ajudar a proteger a equipe do hospital, a American Heart Association (AHA) e a Society of Critical Care Medicine (SCCM) publicaram recomendações em abril de 2020 para a realização desses procedimentos da forma mais segura possível em pacientes que são positivos para COVID-19 ou suspeitos de ter o vírus.

Como as crianças gravemente doentes com COVID-19 representam apenas uma fração da população de pacientes, a ressuscitação é felizmente um evento raro, disse o Dr. Nichols. Mas essa raridade também torna mais difícil criar diretrizes práticas em torno desses cenários e educar centenas de membros da equipe que podem estar envolvidos nesses procedimentos em hospitais.

Para avaliar as melhores práticas, o Dr. Nichols e seus colegas realizaram uma simulação usando protocolos que diferem dos eventos de simulação típicos usados para treinamento de RCP ou intubação. Os pesquisadores começaram com novas diretrizes escritas por um comitê de Saúde Infantil da UTSW com base nas recomendações da AHA e SCCM. Essas diretrizes tinham diferenças distintas dos procedimentos de ressuscitação usuais, incluindo o envolvimento de uma equipe médica com um número significativamente menor de membros, certificando-se de que cada membro está totalmente protegido com equipamento de proteção individual (EPI) antes de entrar no quarto do paciente e garantindo que o paciente seja isolado para bloquear a pulverização de gotículas infecciosas.

O Dr. Nichols reuniu uma equipe de seis pessoas para participar de um evento de ressuscitação. A equipe incluía médicos pediátricos de terapia intensiva, enfermeiras, terapeutas respiratórios e um redator do comitê de diretrizes.

A equipe testou as diretrizes em dois cenários diferentes: em um, um paciente simulado posado sob uma cortina plástica de equipamento que havia sido reaproveitada como escudo protetor, confirmando sua utilidade para proteger os profissionais de saúde durante a intubação e RCP e determinando como proteger o escudo em torno do paciente para melhores resultados. Em outra, a equipe realizou simulação de intubação e RCP em manequim em sala de pressão negativa, com alguns membros da equipe fora da sala distribuindo equipamentos e medicamentos e outros tratando ativamente do paciente simulado.

O Dr. Nichols disse que a equipe identificou vários problemas com as diretrizes. Por exemplo, a equipe descobriu que duas enfermeiras eram necessárias ao lado do leito do paciente durante a ressuscitação – em vez de apenas uma conforme proposto nas diretrizes – para evitar a sobrecarga de tarefas. Além disso, a comunicação precisava ser refinada, uma vez que o EPI impedia os membros da equipe de ver claramente as expressões faciais ou ouvir comandos como fariam normalmente.

“A pandemia COVID-19 exigiu que encontrássemos novas maneiras de fornecer o melhor atendimento aos nossos pacientes, protegendo os profissionais de saúde e educando-os rapidamente sobre novos procedimentos. Mostramos que a simulação oferece uma grande oportunidade para atingir esse objetivo”, concluiu o Dr. Nichols.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página do Centro Médico do Sudoeste da Universidade do Texas (em inglês).

Fonte: Centro Médico do Sudoeste da Universidade do Texas. Imagem: Divulgação, Centro Médico do Sudoeste da Universidade do Texas.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account