Notícia

Sêmen inibe a infecção pelo vírus Zika

Cientistas descobriram que vesículas extracelulares reduzem a ligação às células

 

Divulgação, Universidade Ulm

Fonte

Universidade Ulm

Data

sexta-feira, 6 julho 2018 11:35

Áreas

Biologia. Biologia Molecular. Virologia. Medicina. Saúde Pública.

Enquanto o sêmen de um homem infectado pode estar repleto de centenas de milhões de vírus Zika, o número de pessoas infectadas com o vírus por meio de relações sexuais é relativamente baixo. Em vez disso, o Zika geralmente é transmitido por uma picada de mosquito. Uma equipe de pesquisa internacional chefiada pelo professor Jan Münch da Universidade de Ulm, na Alemanha,  descobriu que o sêmen bloqueia a infecção pelo vírus Zika. As responsáveis por este efeito são pequenas vesículas naturalmente presentes no sêmen que dificultam a ligação do vírus às células do trato anogenital. Os resultados foram publicados recentemente na revista científica Nature Communications.

O vírus Zika, que é particularmente prevalente na América Central e na América do Sul, bem como em ilhas do Pacífico, pode causar ciclos severos de meningite e sérios distúrbios do desenvolvimento em recém-nascidos, como a microcefalia. Os virologistas da Universidade Ulm e seus parceiros de pesquisa investigaram a transmissão sexual deste vírus testando no laboratório como o sêmen afeta a infecção pelo Zika: “O sêmen é rico em substâncias bioativas inorgânicas e orgânicas, como proteínas, enzimas, citocinas, hormônios e íons”. explica o líder do estudo, o Dr. Jan Münch, que realiza pesquisas no Instituto de Virologia Molecular no Centro Médico da Universidade Ulm. Essas substâncias influenciam o meio vaginal e são fatores-chave que influenciam a infectividade das doenças sexualmente transmissíveis. Em estudos anteriores, os cientistas do Instituto descobriram que as fibrilas amilóides no sêmen aumentam drasticamente a transmissão do vírus HIV causador da AIDS. Por outro lado, alguns componentes do sêmen também podem exibir propriedades antibacterianas. Os pesquisadores de Ulm começaram a investigar como o sêmen e seus componentes afetam a infectividade do vírus Zika.

“Ficamos muito surpresos ao descobrir que o sêmen inibe a infecção pelo Zika vírus em vez de melhorar sua infectividade, como acontece com o HIV-1”, diz o  Dr. Janis Müller, que trabalha como cientista de pós-doutorado no Instituto de Virologia Molecular. A equipe de pesquisa internacional demonstrou que o vírus Zika se replica eficientemente em células isoladas de tecidos genitais e retais. Quando as células foram expostas ao sêmen antes da infecção pelo Zika, no entanto, as taxas de infecção foram significativamente menores.

As vesículas extracelulares dificultam a ligação do vírus à célula

O que é responsável por este efeito antiviral? Usando uma ampla gama de métodos – desde a filtração de peso molecular e análise de rastreamento de nanopartículas até microscopia de fluorescência, confocal e eletrônica – os cientistas acabaram descobrindo a identidade da “bloqueador do vírus”. “As vesículas extracelulares, que estão presentes no sêmen em grande número, reduzem a ligação do vírus às células e, assim, previnem a infecção”, explica o Dr. Jan Münch. Essas vesículas são partículas semelhantes a bolhas, consistindo de membranas e proteínas e são responsáveis ​​pelo transporte e armazenamento de substâncias nas células.

O mesmo efeito é observado com os vírus Dengue e West-Nile

Os cientistas puderam ainda demonstrar em experimentos que o sêmen também inibe as infecções com os vírus Dengue e West Nile, que, como o Zika, são transmitidos principalmente pelos mosquitos. “Essas descobertas fornecem uma explicação do porquê de o Zika raramente ser transmitido sexualmente, apesar da enorme carga viral no sêmen”, afirma o Dr. Janis. Em áreas endêmicas de Zika, no entanto, ainda é aconselhável a proteção contra a transmissão sexual do vírus usando preservativos durante a relação sexual, uma vez que casos raros de transmissão sexual do vírus Zika foram documentados. Além disso, o HIV-1 e outros patógenos microbianos podem ser transmitidos através de relações sexuais sem proteção.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade Ulm (em inglês).

Fonte: Andrea Weber-Tuckermann e Daniela Wittmeier, Universidade Ulm. Imagem: Divulgação, Universidade Ulm.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

Entre em Contato

Enviando

2018 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account