Notícia

Peptídeo derivado de fungos pode matar bactérias da tuberculose

Natureza pode prover alternativas aos antibióticos

mushrooms.su

Fonte

Universidade Lund

Data

sábado, 9 março 2019 09:50

Áreas

Bioquímica. Farmacologia.

A tuberculose é a doença infecciosa mais disseminada no mundo.A cada ano, cerca de dois milhões de pessoas morrem da doença e o número de bactérias resistentes à tuberculose está aumentando.Existe uma necessidade considerável de alternativas aos antibióticos.Pesquisadores da Universidade Lund, na Suécia, e do Imperial College, no Reino Unido, acreditam ter um novo candidato farmacêutico à vista. Eles descobriram que o peptídeo antimicrobiano NZX mata as bactérias da tuberculose de maneira rápida e efetiva.

A descoberta do peptídeo como um possível antibiótico futuro foi feita quando os pesquisadores examinaram a capacidade de diferentes peptídeos antimicrobianos (AMPs) em prevenir o crescimento da bactéria da tuberculose Mycobacterium tuberculosis. O peptídeo que eles acabaram vem do fungo conhecido como a copa de ébano (Pseudoplectania nigrella).

Atualmente, a cura para a tuberculose é antibiótica, mas os pacientes geralmente precisam passar por vários tratamentos durante um longo período. Os AMPs surgiram como alternativas interessantes na busca por novas drogas contra essa doença. Os peptídeos são produzidos por todos os organismos, desde as plantas até os mamíferos. Eles agem como antibióticos da própria natureza, pois atacam rapidamente as bactérias.

Vários AMPs foram previamente testados contra bactérias da tuberculose sem sucesso, uma vez que foram tóxicos para as células humanas ou não foram suficientemente estáveis. A principal vantagem dos AMPs é que as bactérias acham mais difícil construir uma resistência aos peptídeos, pois estes têm mais mecanismos do que os antibióticos para matar as bactérias. Outra vantagem é que existem AMPs que podem reduzir a inflamação e, assim, prevenir danos ao tecido durante o tratamento.

“Quando investigamos diferentes peptídeos, encontramos um chamado NZX que não é tóxico para as nossas células, mas mata as bactérias da tuberculose mesmo em baixas concentrações. O peptídeo também pode prevenir danos nos pulmões durante a infecção por tuberculose ”, explica a coordenadora da equipe de pesquisa Dra. Gabriela Godaly, professora do Departamento de Medicina da Universidade Lund. O estudo levou em consideração dados celulares, a partir de em células humanas in vitro e depois foi verificado em modelos animais.

“Embora ainda seja necessário um grande passo entre o estudo em camundongos e a aplicação em seres humanos, temos grandes esperanças de futuros estudos com pacientes, pois os resultados verificados nos estudos com animais foram muito animadores”, conclui a Dra. Gabriela Godaly. Os resultados foram publicados na revista científica Tuberculosis.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade Lund (em inglês).

Fonte: Universidade Lund. Imagem: mushrooms.su.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

Entre em Contato

Enviando

2019 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account