Notícia

Pele de tilápia auxilia em cirurgias em crianças com deformidades nos dedos das mãos

Novo procedimento no  pós-operatório de cirurgia de sindactilia utiliza a pele de tilápia liofilizada no lugar dos curativos comuns

Viktor Braga, UFC

Fonte

UFC | Universidade Federal do Ceará

Data

sexta-feira, 8 outubro 2021 11:50

Áreas

Biotecnologia. Cirurgia. Medicina.

Iniciados em 2015 nos laboratórios do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento em Medicamentos (NPDM) da Universidade Federal do Ceará (UFC), os estudos com o uso de pele da tilápia continuam gerando novas aplicações na área da saúde. Desta vez, a pele de tilápia está auxiliando na recuperação cirúrgica de crianças nascidas com síndrome de Apert, causada por uma mutação genética que leva, dentre outras coisas, à sindactilia (quando os dedos das mãos ou dos pés nascem juntos).

A técnica está sendo desenvolvida pelo Hospital Sobrapar, de Campinas, em parceria com o médico Dr. Edmar Maciel, presidente do Instituto de Apoio ao Queimado (IAQ) e coordenador-geral das pesquisas com pele da tilápia iniciadas no NPDM.

A cirurgia, que utiliza peles de tilápia liofilizada (desidratadas, esterilizadas e embaladas a vácuo), já foi feita de forma bem-sucedida nas duas mãos de três crianças entre 3 e 6 anos previamente selecionadas, entre os dias 12 e 14 de setembro. A expectativa é que outras sete crianças passem pelo mesmo procedimento nos próximos meses.

Procedimento

Na versão tradicional, e dependendo do tipo de caso, a técnica para a separação dos dedos no caso da sindactilia implica na realização de várias cirurgias. O pós-cirúrgico conta sempre com auxílio de curativos comuns e, uma vez separados, os dedos recebem enxertos de pele para preencher a área danificada.

A complexidade do procedimento exige a troca constante dos curativos, provocando desconforto, dores e muito trabalho ao longo do período pós-cirúrgico. Além disso, o processo de autoenxerto nem sempre é satisfatório devido às más condições da área que vai receber a pele. Isso, por sua vez, também aumenta o custo do tratamento.

O novo procedimento utiliza a pele de tilápia liofilizada no lugar dos curativos. Em um processo parecido ao que ocorre com as vítimas de queimadura, o curativo da pele da tilápia reduz a quantidade de vezes que precisa ser trocado e, consequentemente, a dor e o desconforto do paciente. Mas não apenas isso: o contato com a pele da tilápia promove a transferência do colágeno para os dedos do paciente, o que traz diversas vantagens na pós-cirurgia.

“Normalmente, quando há a separação dos dedos, fica uma área cruenta e o tratamento com a pele de tilápia permitiu a preparação do leito receptor para enxertia com a pele humana. Essa preparação promoveu uma melhor retenção do enxerto de pele humana (do próprio paciente) total ou parcial com diminuição do número de curativos e provável ganho de duas a quatro semanas no processo final de cicatrização dos dedos”, disse o cirurgião plástico Dr. Cássio Eduardo Raposo, vice-presidente do Hospital Sobrapar.

Segundo o médico Edmar Maciel, foi possível constatar redução de 50% do número de curativos, alívio na dor, sensível melhora na área dos dedos que irá receber o enxerto (leito receptor), boa pega do enxerto após a última cirurgia, redução do tempo cirúrgico, menor morbidade e redução de custos no tratamento.

Pele de Tilápia

O procedimento é mais um uso da pele da tilápia no campo da saúde. As pesquisas foram iniciadas em 2015, empreendidas pelo médico Edmar Maciel, do IAQ e do Instituto Dr. José Frota, em parceria com a UFC, por meio do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM), coordenado pelo professor Dr. Odorico de Moraes.

A fase pré-clínica durou 18 meses na UFC, contando com 11 etapas, entre as quais a esterilização da pele, os estudos toxicológico e microbiológico e os testes em animais. O processo final de esterilização necessita de irradiação, realizada no Instituto de Pesquisas Energéticas Nucleares (IPEN). Após todos esses processos, a pele de tilápia começou a ser testada em pessoas em 2016.

De início, foi aplicada no tratamento de queimaduras, com excelentes resultados. Em pouco tempo, o material passou a ser adotado também em cirurgias de reconstrução vaginal e de redesignação sexual. Hoje, as pesquisas já projetam a utilização do produto na odontologia, na nutrição e na produção de cosméticos.

Os estudos levaram à criação de diversos produtos, como a pele no glicerol (ou glicerina), a pele liofilizada (desidratada), a matriz dérmica e a extração de colágeno. A pele no glicerol vem sendo aplicada no tratamento de queimaduras e em usos ginecológicos, assim como a pele liofilizada. Já a matriz dérmica e a extração de colágeno têm aberto amplo campo de possibilidades para a utilização da pele da tilápia.

A matriz dérmica, também denominada ‘scaffold’, é um estrutura feito de colágeno puro, obtido através de um longo processo laboratorial de remoção das células do peixe. É por meio desse material que migram os elementos da cadeia da cicatrização da pele.

As pesquisas estão sendo realizadas em 13 especialidades médicas, envolvendo a matriz dérmica ou a estrutura de colágeno, entre elas: cirurgia geral (hérnia abdominal), cirurgia plástica (queimaduras e prótese mamária), cardiologia (válvulas e vasos), neurologia (recobrimento de meninge), urologia (reconstrução de uretra e doença de Peyronie), otorrinolaringologia (perfuração de tímpano), endoscopia (fístula esofágica), oftalmologia (lesões de córnea), dentre outras.

Acesse a notícia completa na página da UFC.

Fonte: Dr. Edmar Maciel e UFC. Imagem: Viktor Braga, UFC.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account