Notícia

Novo estudo indica que não há nada clinicamente “errado” com gamers obsessivos

Pesquisadores do Reino Unido encontraram poucas evidências para sugerir que a paixão por videogames entre adolescentes, muitas vezes referida como “dependência de jogos”, requer intervenção clínica de profissionais médicos

Freepik

Fonte

Universidade de Oxford

Data

segunda-feira, 21 outubro 2019 09:55

Áreas

Psicologia. Saúde Mental.

Com base em dados de mais de 1.000 adolescentes e seus responsáveis, estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Oxford e Universidade Cardiff, no Reino Unido, sugere que os envolvidos intensamente em videogames (os chamados gamers) não requerem intervenção clínica de profissionais médicos, mas que provavelmente terão frustrações subjacentes e problemas mais amplos na parte psicossocial fora dos jogos. É provável que esses problemas os levem a buscar satisfação nos jogos, em vez de serem impactados negativamente pelos próprios jogos.

O professor Dr. Andrew Przybylski, diretor de pesquisa do Instituto para Internet de Oxford e co-autor do estudo, explicou: “A Organização Mundial de Saúde e a Associação Americana de Psiquiatria pediram aos pesquisadores que investigassem a relevância clínica dos videogames desregulados entre os adolescentes, pois estudos anteriores falharam em examinar o contexto mais amplo do que está acontecendo na vida desses jovens. Isso é algo que procuramos abordar em nosso novo estudo. Pela primeira vez, aplicamos a teoria motivacional e os princípios da ciência aberta para investigar se as necessidades psicológicas de satisfação e frustrações no cotidiano dos adolescentes estão ligadas ao envolvimento desregulado – ou obsessivo – nos jogos. Nossas descobertas não forneceram evidências sugerindo uma relação prejudicial com os jogos, responsável por problemas emocionais ou comportamentais substanciais. Em vez disso, é muito mais provável que variações nas experiências com os jogos estejam vinculadas ao fato de as necessidades psicológicas básicas de competência, autonomia e pertencimento social dos adolescentes estarem sendo atendidas e se eles já estiverem enfrentando problemas funcionais mais amplos. À luz de nossas descobertas, não acreditamos que existam evidências suficientes para justificar o pensamento sobre o jogo como um distúrbio clínico por si só”.

O estudo testou hipóteses, considerando até que ponto os adolescentes que jogam obsessivamente se vinculam de maneira confiável ao atendimento de suas necessidades psicológicas básicas. Os adolescentes responderam a questionários sobre o comportamento dos jogos, incluindo detalhes de quanto tempo gastaram jogando videogame, com quem jogaram e se usaram a Internet para jogar. Além disso, seus responsáveis avaliaram a saúde emocional e social de seus filhos.

Os principais resultados foram que:

  • A maioria dos adolescentes jogava pelo menos um jogo na Internet diariamente.
  • Menos da metade dos jogadores online diários relataram sintomas de jogos obsessivos.
  • Os jogadores diários estavam muito envolvidos, dedicando uma média de três horas por dia aos jogos.
  • Houve pouca evidência de que o jogo obsessivo impactasse significativamente os resultados dos adolescentes.

A Dra. Netta Weinstein, professora da Escola de Psicologia da Universidade Cardiff e co-autora do artigo, disse: ‘Sugerimos aos profissionais de saúde a olharem mais de perto os fatores subjacentes, como satisfações psicológicas e frustrações cotidianas, para entender por que uma minoria dos os jogadores sentem que precisam se envolver em jogos de maneira obsessiva. ‘

“Embora a crescente popularidade dos jogos tenha suscitado preocupações de profissionais de saúde e de saúde mental, nossa pesquisa não fornece evidências convincentes de que os jogos, por si só, sejam os responsáveis ​​pelos problemas enfrentados pelos jogadores. Precisamos de melhores dados e da cooperação das empresas de videogame, se quisermos entender tudo isso”, concluiu o professor Przybylski.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Oxford (em inglês).

Fonte: Universidade de Oxford. Imagem: Freepik.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2020 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account