Notícia

Estudo destaca o papel da saúde física e mental sobre a deficiência cognitiva

Pesquisadores descobriram que se a capacidade cognitiva e a saúde física ou mental de um participante diminuíssem ao longo do período de estudo de seis meses, ele se tornaria menos cognitivamente envolvido em tarefas desafiadoras

Vlad Sargu via Unsplash

Fonte

Universidade Estadual da Carolina do Norte

Data

quinta-feira, 22 abril 2021 06:45

Áreas

Neurociências. Psicologia. Psiquiatria. Saúde do idoso. Saúde Pública.

Um estudo recente sugere que a preservação da saúde física e mental ajuda pessoas idosas com deficiência cognitiva a evitar declínios no envolvimento cognitivo.

“Descobrimos que os declínios na saúde física e mental estavam associados a um desligamento cognitivo mais pronunciado”, disse a Dra. Shevaun Neupert, uma das autoras do estudo e professora de Psicologia na Universidade Estadual da Carolina do Norte, nos Estados Unidos. “O impacto dos declínios na saúde física foi particularmente pronunciado para os participantes do estudo que tinham comprometimento cognitivo mais avançado”, destacou a professora.

Muitas pesquisas mostram que o envolvimento cognitivo pode ajudar os idosos a manter a saúde cognitiva. No entanto, a grande maioria desse trabalho foi feito em adultos saudáveis.

“Há muito pouco trabalho sobre o envolvimento cognitivo em pessoas que já têm deficiência cognitiva, como pessoas que foram diagnosticadas com demência. Eles ainda são capazes de um envolvimento cognitivo sustentado? Que fatores contribuem para esse engajamento? ”, destacou a Dra. Neupert.

Para começar a abordar essas questões, os pesquisadores alistaram 28 participantes do estudo. Todos os participantes tinham mais de 60 anos e tinham comprometimento cognitivo documentado. Os participantes compareceram ao local de teste duas vezes, com seis meses de intervalo. Em cada visita, os pesquisadores coletaram dados sobre a saúde física e mental dos participantes do estudo e realizaram uma bateria de testes destinados a avaliar a capacidade cognitiva. Os participantes também foram conectados a um dispositivo que monitorava a pressão arterial continuamente e, em seguida, solicitados a se envolver em uma série de tarefas cognitivas cada vez mais difíceis. Isso permitiu aos pesquisadores rastrear como o engajamento cognitivo mudou conforme as tarefas se tornavam progressivamente mais difíceis.

Engajamento cognitivo significa participar de atividades que são mentalmente desafiadoras. O monitoramento da pressão arterial permitiu aos pesquisadores rastrear o quanto os participantes do estudo estão trabalhando para realizar tarefas cognitivas. Especificamente, a pressão arterial aumenta à medida que mais sangue é bombeado para o cérebro quando os participantes trabalham mais nessas tarefas.

Em termos gerais, os pesquisadores descobriram que se a capacidade cognitiva e a saúde física ou mental de um participante diminuísse ao longo do período de estudo de seis meses, esse participante se tornaria menos cognitivamente envolvido conforme as tarefas se tornavam mais difíceis.

“Normalmente, você esperaria mais engajamento conforme as tarefas se tornassem mais difíceis, mas descobrimos que algumas pessoas pararam de tentar”, disse a Dra. Claire Growney, coautora do estudo e pesquisadora de pós-doutorado na Universidade de Washington em St. Louis.

“Os resultados destacam o fato de que o bem-estar é holístico; saúde física, saúde mental e função cognitiva podem influenciar umas às outras ”, diz a Dra. Xianghe Zhu, co-autora do artigo e recém-doutora da Universidade Estadual da Carolina do Norte.

“Em termos práticos, [o estudo] sugere que pode ser particularmente importante para as pessoas se concentrarem no bem-estar físico e mental durante os estágios iniciais do declínio cognitivo. Ou, pelo menos, não se tornar tão focado em enfrentar os desafios cognitivos a ponto de ignorar a saúde física ou criar ansiedade ou sofrimento emocional que leve a problemas de saúde mental”, destacou a Dra. Claire Growney.

“Pesquisas futuras serão necessárias para determinar o quão benéfico pode ser para as pessoas participarem de atividades cognitivamente envolventes, uma vez que tenham começado a experimentar declínio cognitivo. Mas já sabemos que existe um elemento de‘ usar ou perder ’para a função cognitiva em adultos saudáveis. E embora seja compreensível que as pessoas queiram evitar tarefas difíceis ou desafiadoras, é realmente importante continuar a nos desafiar para participar de atividades cognitivas difíceis”, concluiu a Dra. Shevaun Neupert.

O estudo foi publicado na revista científica Entropy.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Fonte:  Matt Shipman, Universidade Estadual da Carolina do Norte. Imagem: Vlad Sargu via Unsplash.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account