Destaque

Pesquisadores conectam autoanticorpos no líquor a sintomas neurológicos em pacientes com COVID-19

Fonte

Universidade Yale

Data

segunda-feira. 22 fevereiro 2021 11:15

Em março de 2020, a Dra. Shelli Farhadian, professora de Medicina e Neurologia da Universidade Yale, nos Estados Unidos, começou a ver paralelos em sua pesquisa pré-pandêmica sobre os efeitos neurológicos em pacientes com infecção pelo HIV e a possibilidade de efeitos neurológicos em pacientes com o SARS-CoV-2.

“Havia alguma literatura que sugeria que os coronavírus poderiam ter um efeito no cérebro. Então, sabendo que essa era uma possibilidade potencial, mesmo antes de termos nosso primeiro caso no Hospital Yale New Haven (YNHH), trabalhei com outras pessoas para estabelecer um protocolo onde poderíamos consentir que os pacientes coletassem amostras de tecido e informações para tentar ver se isso também estava acontecendo com o SARS-CoV-2 ”, explicou a Dra. Shelli Farhadian.

O primeiro paciente COVID-19 positivo foi admitido no YNHH em 14 de março de 2020. A Dra. Farhadian e seus colegas especialistas em doenças infecciosas encontraram pacientes com queixas neurológicas com ausência de outros sintomas tradicionais de COVID-19, que depois testaram positivo para a doença.

“Grandes estudos de coorte na China, França e Nova York estimam que algo em torno de 30% dos pacientes hospitalizados com COVID-19 têm algum tipo de componente neurológico em sua doença. Então, nesse contexto e com nossa experiência no estudo dos efeitos neurológicos das infecções sistêmicas, começamos a nos perguntar se havia inflamação ou alguma outra consequência dessa infecção afetando o cérebro”, disse a Dra. Farhadian.

Os pacientes inscritos no estudo foram submetidos a uma punção lombar para drenar o líquor.  A Dra. Farhadian e seus colaboradores na Escola de Medicina de Yale e na Universidade da Califórnia em San Francisco (UCSF), sabiam que, olhando para o líquor, eles observariam o que estava acontecendo dentro do cérebro.

A pré-publicação do estudo, disponível no bioRxiv, relata que respostas imunológicas únicas foram observadas no líquor em comparação com o que estava acontecendo no resto do corpo, incluindo níveis aumentados de células produtoras de anticorpos do que seria normalmente esperado no fluido espinhal. Os pesquisadores também encontraram um alto nível de autoanticorpos no líquor, o que sugere que esses anticorpos direcionados ao cérebro são um potencial contribuinte para as complicações neurológicas.

“Descobrimos que a maioria dos pacientes que estudamos tinha autoanticorpos, ou anticorpos que visam o tecido cerebral, circulando no fluido espinhal. Em um caso, descobrimos que os anticorpos dirigidos contra o vírus também apresentavam reação cruzada contra o cérebro. Achamos que isso pode ser uma ligação entre o vírus e as altas taxas de sintomas neurológicos que as pessoas apresentam durante e após o COVID-19”.

Agora, os pesquisadores estão atendendo pacientes na clínica de neurologia Yale Pós-COVID que estão em um período de dois a seis meses após o diagnóstico de COVID e ainda estão tendo problemas neurológicos. “Por exemplo, vi uma paciente na semana passada que normalmente é uma mulher ativa, mas depois da COVID, não consegue trabalhar. Ela diz que não consegue pensar direito, se perde facilmente e não consegue realizar tarefas simples como fazer compras no mercado. Esses autoanticorpos estão contribuindo para isso? Isso é algo que precisamos descobrir”, concluiu a Dra. Shelli Farhadian.

Acesse a notícia completa na página da Unviersidade Yale (em inglês).

Fonte: Julie Parry, Universidade Yale.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2024 tech4health t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account