Destaque

Novas descobertas ligam o sistema imunológico do cérebro à psicose

Fonte

Instituto Karolinska

Data

quinta-feira. 13 maio 2021 07:45

Uma nova pesquisa do Instituto Karolinska, na Suécia, sugere uma ligação entre a psicose e uma mudança genética que afeta o sistema imunológico do cérebro. O estudo, publicado na revista científica Molecular Psychiatry, pode impactar o desenvolvimento de medicamentos modernos para transtorno bipolar ou esquizofrenia.

A psicose afeta cerca de 2% a 3% da população e é caracterizada por uma mudança na percepção da realidade, muitas vezes com elementos de alucinações e reações paranoicas. A maioria das pessoas afetadas são pacientes com esquizofrenia, mas as pessoas com transtorno bipolar também podem apresentar sintomas psicóticos.

Os antipsicóticos disponíveis hoje geralmente têm eficácia insuficiente e, para os pacientes, sua situação de vida pode ser difícil. A expectativa de vida média das pessoas com esquizofrenia é aproximadamente 15 anos mais curta do que a da população em geral, de acordo com o Conselho Nacional de Saúde e Bem-Estar da Suécia.

“Não se sabe exatamente quais são os mecanismos biológicos que causam a psicose, mas pesquisas recentes sugerem que a ativação imunológica nas células gliais do cérebro pode ser a causa. Pessoas com psicose têm níveis elevados de ácido quinurênico no cérebro, um mensageiro que transmite informações do sistema imunológico do cérebro para os neurônios”, disse o Dr. Göran Engberg, professor do Departamento de Fisiologia e Farmacologia do Instituto Karolinska e coautor do estudo.

Associação com a psicose

Os resultados mostram que a perda da proteína GRK3 parece aumentar a sensibilidade do sistema imunológico e desencadeia uma cascata de efeitos no cérebro, envolvendo um aumento da liberação da citocina IL-1beta e do ácido cinurênico.

“Nossos dados experimentais são confirmados por meio de estudos genéticos, onde vemos uma ligação entre a psicose em pacientes com transtorno bipolar e a diminuição da expressão de GRK3, o que leva a um aumento da quantidade de ácido quinurênico no cérebro”, explicou o Dr. Carl Sellgre, também professor sênior do Departamento de Fisiologia e Farmacologia do Instituto Karolinska e primeiro autor do estudo, juntamente com a Dra. Sophie Imbeault, pesquisadora sênior do mesmo departamento.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página do Instituto Karolinska (em inglês).

Fonte: Anne Maria Hammarskjöld, Instituto Karolinska.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account