Destaque

Alguns tipos de estresse podem ser bons para o funcionamento do cérebro

Fonte

Universidade da Georgia

Data

segunda-feira. 1 agosto 2022 07:10

Parece contraditório, mas aquele prazo apertado que traz estresse no trabalho pode ser, na verdade, benéfico para o cérebro, de acordo com uma nova pesquisa do Instituto de Desenvolvimento da Juventude da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos.

Publicado na revista científica Psychiatry Research, o estudo descobriu que níveis baixos a moderados de estresse podem ajudar os indivíduos a desenvolver resiliência e reduzir o risco de desenvolver distúrbios de saúde mental, como depressão e comportamentos antissociais. O estresse baixo a moderado também pode ajudar os indivíduos a lidar com futuros estresses.

“Se você está em um ambiente onde você tem algum nível de estresse, você pode desenvolver mecanismos de enfrentamento que permitirão que você se torne um trabalhador mais eficiente e eficaz e se organize de uma maneira que o ajude a desempenhar melhor”, disse o Dr. Assaf Oshri, principal autor do estudo e professor associado da Faculdade de Ciências da Família e do Consumidor da Universidade da Geórgia.

O estresse que vem de estudar para um exame, preparar-se para uma grande reunião no trabalho ou passar mais horas para fechar o negócio pode levar ao crescimento pessoal. Ser rejeitado por uma editora, por exemplo, pode levar um escritor a repensar seu estilo. E ser demitido pode levar alguém a reconsiderar seus pontos fortes e se deve permanecer em sua área ou realizar uma transição de carreira para algo novo.

Mas os cientistas alertam que a linha entre a quantidade certa de estresse e estresse em excesso é tênue.

O professor Oshri comparou o fenômeno ao desenvolvimento de calos nas mãos ou nos pés devido à atividade física. “Você aciona sua pele para se adaptar a essa pressão que está aplicando a ela. Mas se você exagerar, vai causar problemas.”

O bom estresse pode atuar como uma vacina contra o efeito de adversidades futuras

Os pesquisadores se basearam em dados do Human Connectome Project, um projeto nacional financiado pelos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) que visa fornecer informações sobre como o cérebro humano funciona. Para o presente estudo, os pesquisadores analisaram os dados do projeto de mais de 1.200 jovens adultos que relataram seus níveis de estresse percebidos usando um questionário para acessar o quão incontroláveis ​​e estressantes são os eventos que as pessoas encontram suas vidas.

Os participantes responderam a perguntas sobre a frequência com que experimentaram certos pensamentos ou sentimentos, como “no último mês, com que frequência você ficou chateado por causa de algo que aconteceu inesperadamente?” e “no último mês, com que frequência você descobriu que não conseguia lidar com todas as coisas que tinha que fazer?”

Suas habilidades neurocognitivas foram então avaliadas por meio de testes que mediram a atenção e a capacidade de suprimir respostas automáticas a estímulos visuais; flexibilidade cognitiva, ou capacidade de alternar entre tarefas; memória de sequência de imagens, que envolve lembrar uma série cada vez mais longa de objetos; memória de trabalho e velocidade de processamento.

Os pesquisadores compararam essas descobertas com as respostas dos participantes em várias medidas de sentimentos de ansiedade, problemas de atenção e agressão, entre outros problemas comportamentais e emocionais.

A análise descobriu que níveis baixos a moderados de estresse foram psicologicamente benéficos, agindo potencialmente como uma espécie de inoculação contra o desenvolvimento de sintomas de saúde mental.

“A maioria de nós tem algumas experiências adversas que realmente nos tornam mais fortes. Existem experiências específicas que podem ajudá-lo a evoluir ou desenvolver habilidades que irão prepará-lo para o futuro”, destacou o professor Oshri. Mas a capacidade de tolerar o estresse e a adversidade varia muito de acordo com o indivíduo.

Idade, predisposições genéticas e ter uma comunidade de apoio para recorrer em momentos de necessidade desempenham um papel importante na forma como os indivíduos lidam com os desafios. Embora um pouco de estresse possa ser bom para a cognição, o Dr. Assaf Oshri alertou que níveis contínuos de alto estresse podem ser incrivelmente prejudiciais, tanto física quanto mentalmente.

“A certa altura, o estresse se torna tóxico. O estresse crônico, como o estresse que vem de viver em extrema pobreza ou de ser abusado, pode ter consequências psicológicas e de saúde muito ruins. Afeta tudo, do sistema imunológico à regulação emocional, ao funcionamento do cérebro. Nem todo estresse é bom estresse”, concluiu o pesquisador.

Acesse o resumo do artigo científico (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade da Geórgia (em inglês).

Fonte: Leigh Beeson, Universidade da Georgia.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2022 tech4health t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account