Notícia

Desenvolvimento infantil: atividades simples ajudam a enfrentar problemas de saúde

Protocolo orienta pais a promoverem atividades de estímulo

Pixabay

Fonte

UFLA | Universidade Federal de Lavras

Data

quarta-feira, 27 março 2019 10:00

Áreas

Enfermagem. Pediatria. Ciências da Saúde.

Quando uma criança enfrenta, logo no início da vida, uma doença ou uma situação mais delicada de saúde, por vários motivos isso pode interferir no seu desenvolvimento, mesmo que de forma sutil. Um bebê pode ter atrasos na fala e na evolução dos movimentos, por exemplo, o que acarreta consequências futuras. Por isso é importante que esses pequenos atrasos sejam identificados rapidamente. Assim, a família pode entrar em cena e estimular a criança com atividades que permitirão reverter o quadro. Brincar de “aviãozinho” com o bebê de quatro meses pode ser um exercício importante para ajudar a desenvolver a musculatura do pescoço, por exemplo. Foi pensando nesses casos que a enfermeira Flávia Alvarenga Fernandes Bruzi produziu sua dissertação de mestrado – a primeira defendida no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal de Lavras (PPGDSA/UFLA).

Os resultados do estudo mostraram que 53,37% das crianças avaliadas apresentavam algum tipo de atraso. Esse percentual caiu para 14,41% depois que os pais ou responsáveis realizaram atividades diárias de estímulo com as crianças, por períodos de três e seis meses. Eles receberam da pesquisadora a orientação sobre quais atividades promover e como fazer. Esse roteiro foi elaborado a partir de informações extraídas de três manuais do Ministério da Saúde, que foram compiladas por Flávia e deram origem a um protocolo de intervenções que pode ser utilizado por profissionais de saúde em qualquer unidade de atendimento, para orientação aos familiares. “O trabalho mostrou que intervenções muito simples – medidas fáceis de serem replicadas – são eficazes para prevenir o atraso de desenvolvimento e mesmo reverter os casos já existentes. Em um período muito curto – de apenas três meses – a maior parte das crianças já consegue alcançar o desenvolvimento compatível com a idade”, avalia Flávia.

A pesquisa

O estudo foi desenvolvido com 118 crianças de até 5 anos de idade, assistidas pelo Centro Estadual de Atenção Especializada (Ceae), referência para dez municípios da região de Lavras. São crianças que passaram ou passam por diferentes problemas de saúde, como nascimento prematuro, infecções por toxoplasmose e outras doenças, baixo peso persistente e outros muitos casos que exigem atenção especial. Inicialmente, a pesquisadora realizou o diagnóstico para identificar quais delas possuíam algum tipo de atraso no desenvolvimento. A maior parte (53,37%) foi identificada com potencial de atraso. O trabalho permitiu também observar que existe uma relação entre o atraso no desenvolvimento e algumas circunstâncias que colaboram para esse atraso, como o uso contínuo de medicamentos pela criança e um histórico de internações frequentes, por exemplo.

Depois da primeira avaliação, as famílias das crianças com possível atraso foram orientadas a realizar pequenos exercícios e atividades diariamente. Nova avaliação foi feita depois de três meses, quando a pesquisadora conseguiu constatar os efeitos do programa de atividades: houve redução significativa no número de crianças que permaneciam com sinais de desenvolvimento aquém do esperado para a idade. Os estímulos continuaram e, passados mais três meses, houve outra etapa de avaliação. Já nessa fase, não se observou alteração significativa dos resultados, ficando evidente que a evolução das crianças ocorre mesmo dentro de um curto espaço de tempo.

Para que os pais e familiares mantivessem a rotina de atividades, Flávia considera que foi determinante o contato contínuo que manteve com eles. “Frequentei o Ceae durante todo esse tempo, e todas as vezes que encontrava as famílias conversávamos sobre as atividades. Foi uma forma importante de mantê-los engajados com o protocolo”, diz. “Outro ponto importante é ressaltar que os avanços ocorrem mais facilmente com crianças menores de três anos. É mais promissor reverter atrasos ainda nessa fase da vida. Como os atrasos podem ser sutis, muitas vezes pais e médicos não os identificam prontamente, e as intervenções acabam ocorrendo apenas quando a criança está maior. Por isso, é tão importante identificar precocemente e aplicar o protocolo”, explica a pesquisadora.

Acesse a notícia completa na página da Universidade Federal de Lavras.

Fonte: Ana Eliza Alvim, UFLA. Imagem: Pixabay.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

Entre em Contato

Enviando

2019 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account