Notícia

Cientistas descobrem alvo metabólico para prevenir e tratar insuficiência cardíaca em estágio inicial

Quantidade de um composto chamado acil-CoA é quase 60 por cento menor em corações com insuficiência em comparação com corações normais

Getty Images

Fonte

Universidade Estadual de Ohio

Data

segunda-feira, 1 abril 2019 15:20

Áreas

Medicina. Cardiologia. Saúde Pública.

Pesquisadores da Faculdade de Medicina e do Centro Médico Wexner da Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos, identificaram um processo metabólico no coração que, se tratado, poderia prevenir ou retardar a progressão da insuficiência cardíaca. Os resultados da pesquisa foram publicados na revista científica Circulation.

Antes que qualquer sinal ou sintoma físico de insuficiência cardíaca esteja presente, as primeiras alterações ocorrem no metabolismo das células cardíacas. “Nossos corações queimam combustível, muito parecido com motores de combustão em carros. Em vez de gasolina, nossas células cardíacas queimam gorduras e uma pequena quantidade de glicose. Quando nossos corações ficam cronicamente estressados, eles tentam se adaptar, mas algumas dessas mudanças pioram as coisas.”, explicou o Dr. Douglas Lewandowski, diretor de pesquisa translacional do Instituto de Pesquisa em Coração e Pulmão de Ohio.

Para sua pesquisa, a equipe do Dr. Lewandowski examinou modelos de camundongos com insuficiência cardíaca e tecido cardíaco humano obtido de pacientes com insuficiência cardíaca antes e depois do implante cirúrgico de dispositivos de assistência cardíaca. Eles descobriram que a quantidade de um composto chamado acil-CoA é quase 60 por cento menor em corações com insuficiência em comparação com corações normais. Essa interrupção no metabolismo normal do coração cria gorduras tóxicas que prejudicam a capacidade do coração de funcionar e bombear adequadamente.

Em seguida, a equipe testou camundongos que superexpressaram um gene para uma proteína chamada ACSL1, conhecida por produzir acil-CoA. Quando expostos a condições que causam insuficiência cardíaca, os camundongos continuaram a produzir quantidades normais de acil-CoA e a extensão da insuficiência cardíaca foi reduzida e atrasada.

“Ao manter esse composto de gordura, o acil-CoA, os corações mantiveram sua capacidade de queimar gordura e gerar energia. É importante ressaltar que a superexpressão de ACSL1 também reduziu as gorduras tóxicas, normalizou a função celular e reduziu a perda progressiva de função nos corações dos camundongos ”, explicou o Dr. Douglas  Lewandowski.

Acesse o resumo do artigo científico (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade Estadual de Ohio (em inglês).

Fonte: Marti Leitch, Universidade Estadual de Ohio. Imagem: Getty Images.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

Entre em Contato

Enviando

2019 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account