Notícia

As 12 melhores estratégias para prevenção da COVID-19

Médicos da Escola de Medicina da Universidade Yale indicam as melhores maneiras de se proteger da COVID-19

Kay Lau via Unsplash

Fonte

Universidade Yale

Data

quarta-feira, 21 outubro 2020 16:05

Áreas

Medicina. Saúde Pública,

Já se passaram muitos meses desde que COVID-19 atingiu a sociedade global. Nos adaptamos ao uso de máscaras, ao distanciamento social, lavando as mãos constantemente e trabalhando e aprendendo remotamente. Mas o que realmente sabemos sobre como prevenir a infecção pela COVID-19?

Cientistas, médicos e profissionais da saúde ainda estão tentando entender completamente como o vírus se espalha, o que fazer para evitá-lo e as melhores maneiras de tratar a doença. Novas descobertas às vezes levam a conselhos que entram em conflito com o que nos foi dito anteriormente – e pode ser um desafio manter o controle de tudo. Felizmente, ainda há muitos conselhos sólidos que podemos seguir.

“Pode ser muito cansativo estar constantemente vigilante e tomar precauções, como usar uma máscara e cumprir o distanciamento social, o que pode ser física e emocionalmente desconfortável”, disse a Dra. Jaimie Meyer, especialista em doenças infecciosas da Escola de Medicina da Universidade Yale, nos Estados Unidos. “Mas manter esses tipos de comportamento é realmente a chave para conter essa pandemia, especialmente antes que uma vacina esteja disponível”, continuou a professora. Enquanto isso, a COVID-19 permanece conosco, resultando em mais de 1,1 milhão de mortes em todo o mundo, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Especialistas da Universidade Yale destacam, abaixo, doze conselhos para ajudar a aumentar a proteção e segurança contra a COVID-19.

1. Use sua máscara

Usar uma máscara que cubra a boca e o nariz pode impedir que pessoas infectadas com COVID-19 espalhem o vírus para outras pessoas. Evidências recentes sugerem que as máscaras podem até mesmo beneficiar o usuário, oferecendo algum nível de proteção contra infecções.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos recomenda que todas as pessoas com 2 anos ou mais usem máscaras em ambientes públicos e perto de pessoas que não moram na mesma casa – quando você não pode ficar a 1,8 m de distância das outras pessoas.

As máscaras devem ser feitas de duas ou mais camadas de tecido lavável e respirável e caber confortavelmente em seu rosto. “Um teste rápido e fácil é segurar a máscara contra a luz. Se a luz passar, sinal que ela é muito fina. As máscaras só funcionam quando cobrem o nariz e a boca porque é onde as gotículas infectadas são expelidas e porque o vírus infecta as pessoas através das membranas mucosas do nariz e da garganta”, explicou a Dra. Meyer.

2. Mantenha o distanciamento social

A COVID-19 se espalha principalmente entre pessoas que estão a menos de 2 metros uma da outra por um período prolongado (pelo menos 15 minutos). A transmissão do vírus pode ocorrer quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala, o que libera gotas da boca ou nariz para o ar.

As pessoas podem ser assintomáticas e espalhar o vírus sem saber que estão doentes, o que torna especialmente importante permanecer a 2 metros de distância das outras pessoas, esteja você dentro ou fora de casa. Além disso, quanto com mais pessoas você interagir em uma reunião e quanto mais tempo passar interagindo com cada uma, maior será o risco de ser infectado pelo vírus. Se você estiver participando de um evento ou reunião de algum tipo, também é importante estar ciente do nível de transmissão da comunidade. Um método de estimar quão alto pode ser o risco é referido como R0.

“Pronunciado como ‘R zero’ e também conhecido como número [ou taxa] de reprodução, é uma medida de quão rápido uma doença está se espalhando”, explicou o Dr. Onyema Ogbuagu, especialista em doenças infecciosas da Escola Médica de Yale. “Se o número de reprodução for 5,0, isso significa que uma pessoa infectada espalhará o vírus para uma média de cinco pessoas. Portanto, quanto menor a taxa, mais seguro é. ”

Enquanto o R0 se refere ao número de reprodução básico, ou inicial, há outra medida chamada Rt, que é o número de reprodução atual e é o número médio de pessoas que foram infectadas por uma pessoa infectada. Se Rt estiver acima de 1,0, o vírus irá se espalhar rapidamente.

3. Continue lavando as mãos

Lavar as mãos – e bem – continua sendo um passo fundamental para prevenir a infecção pelo Sars-CoV-2. Lave as mãos com sabão com frequência, especialmente depois de estar em um local público ou assoar o nariz, tossir ou espirrar.

Você deve lavar as mãos por pelo menos 20 segundos, ensaboar as costas das mãos e esfregar entre todos os dedos, sob todas as unhas e alcançar o pulso. Após a lavagem, seque-os completamente (com um secador de ar ou papel toalha) e evite tocar na pia, torneira, maçanetas ou outros objetos. Se nenhum sabonete estiver disponível, use um desinfetante para as mãos com pelo menos 60% de teor de álcool e esfregue-o nas mãos até que sequem.

Embora o CDC afirme que a principal forma de propagação do vírus é através do contato pessoal próximo, pode ser possível se infectar com COVID-19 tocando em uma superfície ou objeto que contém o vírus e, em seguida, tocando sua própria boca , nariz ou olhos. Portanto, você também deve lavar as mãos depois de tocar em qualquer coisa que possa estar contaminada – como um corrimão ou maçaneta em um local público – e antes de tocar em seu rosto.

Embora o vírus possa sobreviver por um curto período em algumas superfícies, é improvável que se espalhe pelo correio, produtos ou embalagens, diz o CDC. Da mesma forma, o risco de infecção por alimentos (que você cozinha, preparados em um restaurantes ou pedidos por delivery) é considerado muito baixo, assim como o risco de embalagens ou sacos de alimentos. Ainda assim, há muito que se desconhece sobre o vírus e continua sendo aconselhável lavar bem as mãos após manusear qualquer alimento ou produto que chegue à sua casa.

4. Não se reúna com muitas pessoas [em dias festivos]

Com a proximidade do final do ano, muitas famílias se reúnem. “Depois de meses separados durante esta pandemia, as famílias podem estar menos dispostas a fazer uma chamada de vídeo em grupo”, disse a Dra. Meyer. “Este pode ser um ano em que precisamos ser criativos e repensar como comemorar juntos.”

Isso pode simplesmente significar mais planejamento para as férias, diz o Dr. Meyer. “Considere fazer uma quarentena por 14 dias antes de viagens e/ou fazer com que todos sejam testados para COVID-19 se houver testes disponíveis em sua comunidade. Se possível, limite as reuniões ao mínimo de pessoas possível – talvez apenas familiares e amigos próximos. Quando não for possível estar ao ar livre, incentive seus convidados a usarem máscaras dentro de casa. Considere espalhar alimentos e áreas de alimentação para que as pessoas fiquem distantes enquanto comem com as máscaras abaixadas ”, sugeriu a professora.

“Lembre-se que seus familiares idosos e aqueles com outras comorbidades são mais vulneráveis à COVID-19, portanto, tome medidas extras para protegê-los”, alertou a Dra. Meyer.

5. Tome cuidados ao se alimentar fora de casa

Embora muitos restaurantes ofereçam refeições ao ar livre, o que os especialistas dizem ser a opção mais segura, o consumo de alimentos em lugares internos fechados pode expor a mais riscos. “Se você se encontra com outras pessoas em um restaurante e compartilha a mesa enquanto come, o que não permite o distanciamento social adequado e o uso de máscara, oferece oportunidades para que o vírus se espalhe de pessoa para pessoa. A probabilidade de espalhar a infecção é maior com cada pessoa adicional com quem você entra em contato, especialmente quando as pessoas se reúnem”, explicou o Dr. Onyema Ogbuagu.

6. Viaje com segurança

Embora você deva evitar viajar, se puder, às vezes pode ser necessário. Mas antes de sair, você pode verificar como está a propagação do vírus em seu destino. Um número grande de casos no seu destino aumenta o risco de contrair o vírus e transmiti-lo a outras pessoas. Por isso é importante pesquisar antes.

“Além disso, não se esqueça de verificar os regulamentos para quarentena ou testes em seu destino ou para quando você voltar para casa”, disse a Dra. Meyer. Esteja você viajando de carro, avião, ônibus ou trem, há alguns cuidados que você pode tomar ao longo do caminho. O CDC tem uma lista detalhada de recomendações para cada meio de transporte que segue principalmente os conselhos listados acima de praticar o distanciamento social, usar uma máscara e lavar as mãos, mas também inclui conselhos específicos para vários cenários.

7. Tome a vacina contra a gripe

Autoridades de saúde estão preocupadas com a conjunção de casos de gripe e casos de COVID-19, que podem afetar os sistemas de saúde. Especialistas em saúde pública dizem que este não é o ano para ignorar a vacina contra a gripe. Embora as medidas para prevenir a COVID-19, incluindo uso de máscara, lavagem das mãos e distanciamento social, também possam proteger contra a gripe, a vacina é especialmente importante – e segura, dizem os médicos.

Embora muitas pessoas afirmem que a vacina contra a gripe “lhes trouxe a gripe”, não é possível se infectar com o vírus da gripe com a própria vacina, segundo a Dra. Meyer. “A vacina é composta de vírus inativados e é projetada para estimular o sistema imunológico para responder ao caso real, se ele vier. O efeito colateral mais comum da vacina contra a gripe é dor ou vermelhidão no local da injeção, que desaparece em um ou dois dias”, explicou a especialista.

A vacina contra a gripe é recomendada para todas as pessoas com 6 meses ou mais. Converse com seu médico sobre como encontrar uma vacina perto de você.

8. Diferenciar entre gripe, resfriados e COVID-19

Muitas pessoas provavelmente terão dificuldade em diferenciar entre gripe, resfriado comum e COVID-19, todos com sintomas semelhantes.

Por exemplo, a COVID-19 e a gripe podem causar febre, falta de ar, fadiga, dor de cabeça, tosse, dor de garganta, coriza, dor muscular ou dores no corpo, bem como vômitos e diarreia (embora estes dois últimos sintomas  sejam mais comuns em crianças). Enquanto isso, os resfriados podem ser mais brandos do que a gripe e têm maior probabilidade de causar coriza ou obstrução nasal. Uma diferença, no entanto, é que a COVID-19 está frequentemente associada a uma perda de paladar e cheiro.

Portanto, se você ou alguém da sua família apresentar algum desses sintomas, o que você deve fazer?

“Primeiro, você deve ficar longe dos outros o máximo possível e lavar as mãos antes de fazer contato com o rosto. E certamente vá ao médico ou ao hospital se tiver sintomas graves, como febre alta ou falta de ar. Caso contrário, fazer um teste para a COVID-19 em um local próximo de você ajudaria a definir que tipo de doença respiratória você tem e também como aconselhar as pessoas com quem você esteve em contato”, disse o Dr. Ogbuagu.

Os pais, acrescentou o Dr. Meyer, precisarão entrar em contato com os pediatras de seus filhos sobre esses sintomas. “Eu também acrescentaria que as pessoas mais velhas e com condições médicas subjacentes devem ter um limite mínimo para procurar atendimento para qualquer um desses sintomas. O quanto antes é melhor, especialmente para a gripe, pois temos medicamentos antivirais que funcionam se administrados dentro de 72 horas do início dos sintomas”, enfatizou a Dra. Meyer.

9. Procure atendimento médico [também para outras doenças]

Você deve continuar a buscar atendimento médico de rotina ou de emergência ou tratamentos de que precise. Muitos centros de saúde e médicos estão oferecendo consultas de telessaúde (por vídeo ou telefone) e a maioria possui protocolos para minimizar o risco de exposição ao novo coronavírus.

Procurar o atendimento de emergência quando você precisar é especialmente importante. No início da pandemia, médicos relataram queda na procura por serviços de emergência, levando a uma preocupação de que os pacientes estivessem evitando procurar atendimento devido ao medo de contrair a COVID-19.

“Tão importante quanto continuar a cuidar de problemas médicos conhecidos é continuar os cuidados de saúde preventivos, como procedimentos de rotina, incluindo colonoscopias e exames de Papanicolaou, bem como vacinas. Esses outros problemas de saúde não desaparecem apenas porque há uma pandemia. Procure o seu médico se não tiver certeza do que deve fazer”, destacou a Dra. Meyer.

10. Atenção à sua saúde mental

Muitas pessoas estão passando por ansiedade, depressão e outros problemas de saúde mental durante a pandemia, pois é um período de estresse e incerteza. Tudo isso é normal, dizem os especialistas em saúde mental, que recomendam que você se permita abraçar todas as emoções, inclusive as que são desagradáveis, para gerenciá-las melhor.

Os especialistas aconselham limitar a exposição às notícias se os eventos do mundo forem muito intensos no momento, praticar a plena atenção (mesmo apenas exercícios respiratórios), alimentar-se de maneira saudável e permanecer fisicamente ativo.

Para as crianças, que ainda estão se adaptando à nova rotina, atividades canceladas e horários escolares diferentes, os pais podem ajudar ouvindo plenamente suas preocupações e fornecendo respostas adequadas à idade e às suas perguntas. Ao conversar com os filhos sobre o que sabem e como estão se saindo, os pais podem determinar se é necessário mais apoio emocional.

11. Cuide de seu peso

Em um momento em que as rotinas são interrompidas e muitas pessoas estão trabalhando em casa, algumas pessoas podem estar ganhando peso. Agora, mais do que nunca, os médicos recomendam que você se concentre em manter uma dieta saudável, incorporar exercícios regulares, dormir bem e encontrar maneiras saudáveis ​​de controlar o estresse.

Enquanto isso, a obesidade está emergindo como um fator de risco independente para a COVID-19 grave – mesmo entre pacientes mais jovens. Um estudo, que examinou pacientes com COVID-19 hospitalizados com menos de 60 anos, descobriu que aqueles com obesidade tinham duas vezes mais probabilidade de necessitar de hospitalização e ainda mais probabilidade de necessitar de cuidados intensivos do que aqueles que não estavam obesos.

12. Continue se protegendo

É provável que a COVID-19 permaneça ainda por um tempo. “Mas com bons esforços para continuar seguindo as medidas de saúde pública para proteger uns aos outros e, esperançosamente, uma vacina de sucesso no futuro, há uma luz no fim do túnel”, ressaltou o Dr. Ogbuagu.

Mas mesmo antes de uma vacina segura e eficaz estar disponível, a COVID-19 é uma doença evitável. “Exige apenas que todos nós façamos o trabalho árduo de praticar os comportamentos – descritos acima – para manter nossas comunidades seguras e saudáveis”, concluiu a Dra. Jaimie Meyer.

Acesse a notícia completa na página da Universidade Yale.

Fonte: Carrie Macmillan e Jeremy Ledger, Universidade Yale. Imagem: Kay Lau via Unsplash.

Em suas publicações, o Portal Tech4Health da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Portal Tech4Health tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Portal Tech4Health e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Portal Tech4Health, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Portal Tech4Health | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account