Consenso e recomendações sobre traqueostomia em crianças

Alterar o tamanho da letra
A- | A+

Informações
Data no Tech4Health: 9 de setembro de 2017


Fonte
Sociedade Brasileira de Pediatria, Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica e Revista Brazilian Journal of Otorhinolaryngology
Data
09/09/2017
Áreas
Medicina. Medicina Intensiva. Pediatria. Otorrinolaringologia. Saúde da Criança.

Notícia


A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica (ABOP) produziram um consenso sobre a traqueostomia em pacientes pediátricos com o objetivo de gerar recomendações nacionais sobre os cuidados adequados com as crianças traqueostomizadas.

A traqueostomia é um procedimento que pode ser realizado em qualquer faixa etária, incluindo crianças menores de um ano de idade. O aumento do uso da traqueostomia nesta faixa etária tem sido atribuído à maior sobrevivência de prematuros e aqueles que necessitam de ventilação prolongada. No Brasil, os profissionais de saúde alegam grande dificuldade de lidar com este procedimento por falta de orientação sobre os cuidados padrões. Segundo o consenso, a ausência de padronização dos cuidados no procedimento decorre da inexistência de diretrizes nacionais nos âmbitos do Sistema Único de Saúde (SUS) e da Agência Nacional de Saúde (ANS). Além disso, os profissionais ainda acusam a dificuldade de acesso a materiais e ao treinamento adequado para equipes médicas.

A falta de cuidados necessários pode ser a causa da diferença de óbitos entre as crianças traqueostomizadas brasileiras e de outros países, sugere o trabalho. Pesquisas internacionais apontam que a taxa de mortalidade relacionada à traquestomia em crianças varia de 0% a 5,9%. No Brasil, ela é de 4%, segundo estudo realizado em Porto Alegre, em 2009.  Estudos internacionais mostram que a criação de equipes de cuidados específicos para crianças otimiza os cuidados e potencialmente reduz o sofrimento dos pacientes e seus familiares, assim como baixa o custo do tratamento.

A presença de granuloma, infecções e obstrução da cânula são os problemas mais frequentes no procedimento.   O consenso entre a SBP e a ABOP sugere que a traqueostomia seja sempre realizada em um centro cirúrgico, depois de uma análise pré-operatória das vias áreas endoscópicas para avaliar as causas da obstrução respiratória. Nos casos em que for impossível realizar a endoscopia das vias aéreas antes do procedimento, recomenda-se que seja realizada depois, o mais tardar 30 dias após a traqueostomia. As indicações de traqueostomia devem orientar o tipo de cânula e suporte ventilatório necessários, bem como o acompanhamento e o planejamento terapêutico e de decanulação.

O documento foi publicado na última edição da revista científica Brazilian Jounral of Otorhinolaryngology.

Acesse o artigo científico (em inglês).

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria e Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica.